.posts recentes

. ...

. A Geringonça

. Presépio ao Vivo 2016

. Sr Contente e Sr Feliz

. ...

. NATAL HOJE

. A ÓPERA DOS MALANDROS

. O BRASEADO

. FOI POR VONTADE DO POVO

. Halloween português

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Setembro 2011

. Maio 2011

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

Domingo, 16 de Setembro de 2007

DOURO

A terra é rasgada pelas mãos calosas
de homens e mulheres em faina de cor

o vinhedo brota e, vozes orgulhosas,

 vão cantando a lida em debruns de amor.

 

 A visão é bela, arquitectura pura,

 nuances que nem Baco sonharia

salpicadas aqui e ali pela verdura

 santuário de oração, choro e alegria.

 

 E o rio é uma serpente prateada

 humedecendo recônditos pedaços

vai em dança suave, ondulada,

 espargindo odores, néctares de abraços

 

. Em cachos coloridos estão as uvas

perfiladas no solo em soberbo alinho

 grávidas de sol, de brisa, de chuvas,

clamando colheitas, vindimas, o vinho.

 

 Oh, Douro, de correntes, remoinhos!

 Douro azul, verde, cor estonteante!

 Tens garças e outros pássaros em ninhos

e o Barco Rabelo como fiel amante!


publicado por brizissima às 10:44

link do post | comentar | favorito

4 comentários:
De A. João Soares a 16 de Setembro de 2007 às 18:59
Cara Brizíssima,
Que bela descrição de uma linda paisagem. Estão a aparecer no mundo concorrentes a estes vinhos com a vantagem de a cultura ser mecanizada e mais barata. Daqui a uns anos este poema fará parte da história, para recordar como era esta paisagem de socalcos. Oxalá surjam entretanto ideias inovadoras para explorar estas belezas como factor de rendimento turístico.
Desculpe ter misturado o materialismo da economia nacional com o sonho de sentimentos e emoções da poesia idílica.
Beijos
Joãp


De Milena a 26 de Setembro de 2007 às 10:05
Belo poema ao Douro!
Sou uma apixonada por este cantinho do nosso país, aquela paisagem de uma beleza natural impar faz-me esquecer todo de cinzento que a vida nos mostra.
Parabéns pelo teu cantinho! Vou voltar...


De brizissima a 27 de Setembro de 2007 às 23:29
Cara Milena.
Ainda bem que gostou do meu poema e que pretende voltar ao meu cantinho. Fico feliz e espero não a desapontar.Abraço


De Tovi a 31 de Julho de 2009 às 20:24
Tomei a liberdade de copiar parte do seu poema para um post no meu blog onde digo: "Estive hoje em Lamego… e as vinhas estão lindas de encantar".
Ver aqui: http://tovi.blogs.sapo.pt/203034.html


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


.tags

. todas as tags

.favorito

. GAZETILHA

. NEVOEIRO

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds