.posts recentes

. ...

. A Geringonça

. Presépio ao Vivo 2016

. Sr Contente e Sr Feliz

. ...

. NATAL HOJE

. A ÓPERA DOS MALANDROS

. O BRASEADO

. FOI POR VONTADE DO POVO

. Halloween português

.arquivos

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Março 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2013

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Setembro 2011

. Maio 2011

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

Quarta-feira, 1 de Agosto de 2007

LOUCURAS a Fernando Pessoa

 

                    LOUCURAS

 

Não consigo gostar de Pessoa

ou nunca o percebi.

Gosto de poesia que me faça pensar

que vivo o que não vivi.

Não me peçam para fazer de um homem

tímido, frágil, infeliz,

o meu herói.

Não me façam entender o ininteligível

faz-me sofrer e dói.

Doi-me o seu tinir de infinito

e fujo do sentimento sem nexo

do seu grito.

 

Ele é ele, ele é o outro

e mais o outro

e o tal

que diz que sente o que mente

e que não mente afinal.

 

O tanger de alma distante

de curta vida,

essa voz de tédio, sem remédio,

não é um diamante

pois a poesia é o instante do poeta

mas tem que ser brilhante.

 

Falar do poema um pouco à toa

solto ou rimado,

é obra de alma

mesmo que doa.

 

e eu não gosto de Pessoa...

 

Menino de sua mãe,

mãe ausente, mãe que não é mãe,

ele foge de si mesmo.

Encontro de vida, sem vida,

que percorre a esmo

sem sombra de ninguém.

 

"Os caminhos estão todos em mim

qualquer distância, ou direcção, ou fim"

diz ele, ego a vibrar.

Os caminhos são do mundo

a cada um sua distância e direcção

e para todos um fim.

Não, não gosto de Pessoa

e, cada vez mais, me aproximo de mim.

 

Mas, quem sou eu? Como me atrevo

a falar do poeta encantado

por todo o universo percorrido

em cada letra amado?

 

Quem sou eu, incipiente versejadora

para assim ousar falar de um Deus

feito pessoa?

 

Mas é assim que eu sinto.

E, neste meu jeito impreciso,

finjo que sinto o que não sinto,

sinto que não minto

e pressinto

(coisa pouca)

que alguém de juízo

me olhará e, num sorriso

dirá: mas ela é louca!

 

 


publicado por brizissima às 21:25

link do post | comentar | favorito
|

2 comentários:
De A. João Soares a 1 de Agosto de 2007 às 22:03
Gostar ou não gostar, eis a questão! No início da leitura fiquei espantado. Cheirou inesperadamente a ignorância do grande pensador dos tempos modernos. Mas era puro engano. A Brizíssima manipulou os pensamentos do leitor e eis que sai um conhecimento profundo do poeta e pensador da Mensagem .
Muito bem. E gostar ou não gostar é um assunto pessoal.
Abraço


De Mobile in mobile a 3 de Agosto de 2007 às 14:43
O Pessoa se calhar tambem não aprecia o género!


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28


.tags

. todas as tags

.favorito

. GAZETILHA

. NEVOEIRO

.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds